Aprendizagem Criativa utilizando conceitos de STEAM

Carga Horária

 

Aulas Teóricas em Sala de Aula: 40:00 h

Horas de Estudo: 20:00 h


Carga Horária Total da Disciplina: 60:00 h

Objetivos: STEAM é um acrônimo em inglês de Science, Technology, Engineering, Arts e Mathematics. Reúne com isso os conhecimentos de Ciências, Tecnologia, Engenharia, Matemática e Artes de forma integrada, procurando valorizar o desenvolvimento de competências interpessoais acompanhado de competências científicas, por meio de aprendizagem criativa.
A disciplina será conduzida de forma integradora, por meio de atividades mão na massa. Trata de como fazer as coisas por meio da descoberta do porquê e do que se está fazendo essas coisas, através de um processo de aprendizagem que se desdobra em cinco etapas básicas: a investigação, a descoberta, o estabelecimento de conexões, a criação e a reflexão.
Serão apresentados aos participantes as principais ferramentas e técnicas de aprendizagem criativa por meio da resolução de problemas, desenvolvimento de projetos, prototipagem, testes e experiência do usuário, impactando não só na aplicação integrada do STEAM, como na mudança de comportamento dos participantes (mindset), possibilitando enxergar o mundo de maneira mais inovadora e utilizando situações reais de aplicação. O curso é um balanço entre teoria e prática de STEAM como uma oportunidade para entender melhor as demandas atuais por meio da aprendizagem criativa.

Programa:
• Conceitos e Aplicações de STEAM
• Aprendizagem Criativa e seus ambientes
• O uso do Design Thinking e de suas ferramentas no ensino
• Makerspaces como laboratórios de inovação
• Living Labs para uma relação escola-empresa-governo-sociedade
• Tecnologia da Informação e Comunicação aplicadas
• Gameficação
• Robótica aplicada
• Ambientes virtuais de aprendizagem
• Sustentabilidade e Responsabilidade Social em Projetos
• Projetos integradores
• Apresentação de Cases

Referência Bibliográfica:
1. Oner A, Nite S, Capraro R, Capraro M. From STEM to STEAM: Students’ Beliefs About the Use of Their Creativity. STEAM. 2016;2(2):1–14.
2. Raabe ALA, Gomes AS, Bittencourt II, Pontual T. Educação Criativa Multiplicando experiências para a aprendizagem. Educação criativa: multiplicando experiências para a aprendizagem. 2016. 349-439 p.
3. Suanno JH. Por que uma escola criativa? Rev Polyphonía. 2017;27(1):81.
4. Brown T, Rowe PG. Design thinking. Harv Bus Rev [Internet]. 2008;86(6):252. Available from: http://books.google.de/books?id=ZjZ3mflzJtUC%5Cnhttp://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18605031
5. Institute of Design at Stanford. Introduction to Design Thinking. Design Thinking for Entrepreneurs and Small Businesses [Internet]. 2010;1–15. Available from: https://dschool.stanford.edu/sandbox/groups/designresources/wiki/36873/attachments/74b3d/ModeGuideBOOTCAMP2010L.pdf?sessionID=279d284171a07bdcd139c9e3dc82a73c8ce0f3aa%0Ahttp://link.springer.com/10.1007/978-1-4302-6182-7_1
6. Horvath J, Cameron R. What’s a Makerspace (or Hackerspace)? In: The New Shop Class. 2015. p. 59–71.
7. Costa CO, Pelegrini AV. O Design dos Makerspaces e dos Fablabs no Brasil: um mapeamento preliminar. Des e Tecnol. 2017;7(13):57.
8. Mazzuco E, Teixeira CS. LIVING LABS: INTERMEDIÁRIOS DA INOVAÇÃO. Rev Eletrônica do Alto Val do Itajaí. 2017;6(9):87–97.
9. Ståhlbröst A, Holst M. The Living Lab Methodology Handbook [Internet]. Social Informatics at Luleå University of Technology and CDT – Centre for Distance-spanning Technology. 2012. p. 76. Available from: http://www.ltu.se/cms_fs/1.101555!/file/LivingLabsMethodologyBook_web.pdf
10. Superior E, Jo ESE. As TIC no processo de ensino-aprendizagem. X Congr Int GalegoPortuguês Psicopedag. 2009;5499–513.
11. Ausín V, Abella V, Delgado V, Hortigüela D. Aprendizaje basado en proyectos a través de las TIC. Una experiencia de innovación docente desde las aulas universitarias. Form Univ [Internet]. 2016 [cited 2019 Feb 14];9(3):31–8. Available from: http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0718-50062016000300005&lng=en&nrm=iso&tlng=en
12. Ponzetto A, Soares de Souza L. GAMEFICAÇÃO – JOGOS EDUCACIONAIS NARRATIVAS LÚDICAS NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM. In 2016.
13. Queiroz RL, Sampaio FF, Santos MP dos, Dos Santos MP, Santos MP dos. Pensamento Computacional, robótica e educação. Tecnol Soc e Conhecimento [Internet]. 2017;4(1):107–29. Available from: http://www.nied.unicamp.br/ojs/index.php/tsc/article/view/183
14. Silva CC de M e, Silva JJD da, Jorge EM de F, Santos DA, Saba H. A Revolução da Robótica utilizando lixo eletrônico no Ensino Básico: Formação Ampliada e menor Vulnerabilidade. Rev LEVS. 2016;
15. Silva AARS da. Robótica e educação: uma possibilidade de inserção sócio-digital. J Chem Inf Model [Internet]. 2010;146. Available from: http://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/14394
16. Luiz A, Perez F, Darós RR, Puntel FE, Vargas SR. Uso da Plataforma Arduino para o Ensino e o Aprendizado de Robótica. Int Conf Interact Comput aided Blended Learn. 2013;4:230–2.
17. Pereira A, Schmitt V, Dias M, Álvares R. Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Livraria Cultura. 2007. 4-22 p.
18. Mendes FC, Santos BM dos, Queiroz MBA. Educação Ambiental no ensino de ciências: enfoque para a sustentabilidade. Criar Educ. 2017;
19. Sanches MC de F. Projeto Integrador: uma reflexão para a evolução. Projetica. 2014;1(1):101.
20. Roesch SMA. Notas sobre a construção de casos para ensino. Rev Adm Contemp. 2008;11(2):213–34.


Método de Avaliação: Aulas Expositivas, Aulas Baseadas em Problemas e Projetos, Atividades Individuais e em Grupo, Seminários.
Dadas estas características, haverá múltiplas formas de avaliação definidas pelo docente.
Nota Final = Média Ponderada das formas de avaliação definidas pelo docente, abrangendo avaliações individuais e em grupo.

  • w-facebook
  • Twitter Clean
  • w-googleplus
  • w-youtube